TUDO SOBRE MILITEC 1

 

Tudo o que você precisa saber sobre o Militec 1

Utilizado em diversos motores, Militec 1, condicionador sintético de metais importado pela Militec Brasil de modo exclusivo para país, atua diretamente nas partes metálicas, reduzindo o desgaste. Seu uso oferece também economia de combustível e redução da emissão de gases poluentes (CO).

Usualmente, o produto é aplicado no motor junto com o óleo lubrificante. Vale lembrar que Militec 1 não é um aditivo, já que ele não contém melhoradores do índice de viscosidade, não altera a composição físico-química e nem o intervalo da troca de óleo. Além disso, não substitui a utilização do óleo lubrificante, fazendo com que o seu usuário pratique as trocas conforme recomendações do fabricante. A Militec Brasil, de acordo com a informações a seguir, mostra que o produto realmente cumpre com o que promete.

 

Como o Militec 1 funciona

Por ser um condicionador de metais, Militec 1 usa o lubrificante como meio de transporte para chegar às superfícies metálicas e aos pontos críticos de calor dentro do equipamento. Ao chegar nesses pontos, se separa completamente do óleo, fazendo com que suas moléculas se fixem na superfície de metal por meio do fenômeno da (adsorção). Isso acontece entre 38º C e 66º C, com variações de acordo com as condições de atrito e carga. Essa reação proporcionada pelo MIlitec 1 enrijece a superfície e a torna cerca de 17 vezes mais resistente. Além de aumentar a resistência da superfície metálica, o condicionador diminui consideravelmente o atrito e o arrasto parasítico que ocorre entre os metais. 

A orientação da importadora exclusiva do produto no Brasil é que o Militec 1 seja utilizado na proporção de um frasco de 200 ml para cada 4 litros de óleo, a cada 20 mil km, ou seja, ele é independente da troca de óleo, justamente por ser um condicionador de metais sem se misturar ao lubrificante.

Após sua aplicação, em até mil quilômetros Militec 1 já estará totalmente adsorvido por completo nas peças metálicas.

 

Quais as vantagens o Militec 1?

A vantagem do Militec 1 é que ele pode ser usado em qualquer lugar onde duas peças de metal se friccionem, sem alterar as tolerâncias de folga do equipamento. Deste modo, o condicionador de metais pode ser aplicado em motores de qualquer tamanho e de qualquer combustível, seja de dois ou de quatro tempos.

 

Por que o Militec 1 é bom para o motor de um automóvel?

De acordo com a literatura mecânica, cerca de 80% do desgaste total do motor ocorre nas partidas a frio. É nelas que acontece o contato do metal com metal devido à ausência temporária de lubrificação. Com Militec 1, o que ocorre nessa fase será o contato entre as superfícies tratadas, onde a finalidade é eliminar esse desgaste.  

Para atingir seu potencial completo de lubrificação, o óleo precisa estar em uma temperatura adequada. Até ocorrer essa condição, quem evitará o desgaste será o Militec 1. 

 

Onde pode ser usado?

Militec 1 deve ser usado em:

  • Motores de todos os tamanhos, de qualquer combustível, de dois ou quatro tempos;
  • Transmissões e diferenciais automotivos ou industriais;
  • Compressores de qualquer tipo, incluindo os de refrigeração;
  • Rolamentos;
  • Caixas Redutoras;
  • Bombas e sistemas hidráulicos;
  • Correntes;
  • Armas;
  • Jet skis
  • Karts;
  • Bicicletas;
  • Hobby modelismo e outros.

Mais: Militec 1 funciona muito bem como fluido de corte para ferramentas de torno e usinagem.

 

Militec 1 causa corrosão?

Em 2019, a Militec Brasil realizou uma série de testes com o Militec 1 junto de seis marcas diferentes de óleos lubrificantes. Todos os laudos revelaram que os índices de corrosão permanecem os mesmos, tanto na análise individual dos óleos quanto nas avaliações em conjunto com o Militec 1. 

Ao todo, foram 12 testes, incluindo o laudo técnico a partir de testes realizados pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), que comprovaram que o MIlitec 1 não gera ácido clorídrico e, com isso, não oferece risco aos motores.

 

Estudo técnico comprova redução de desgaste

Dados preliminares de um estudo sobre condicionadores de metais, o maior em desenvolvimento atualmente no país sobre o assunto, sustentam a ideia de inovação tecnológica contida no Militec 1. Conduzida pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), a pesquisa observou, de modo inicial, que a aplicação do Militec 1 reduziu em até dez vezes o desgaste por atrito em ensaio de pino. 

A constatação veio com os ensaios tribológicos, que simulam o contato entre o anel de pistão e parte do cilindro do motor. Os testes compararam os resultados de uma amostra pura de óleo lubrificante comercial e outra com o mesmo óleo somado ao percentual indicado de Militec 1.

A parceria realizada a partir de um acordo de cooperação entre a UTFPR e a Militec Brasil, está prevista para os próximos quatro anos. O objetivo é desenvolver uma metodologia robusta para uma avaliação ainda mais precisa de condicionadores de superfícies. 

As análises térmicas e físicas do produto realizadas no âmbito do estudo, apontam ainda que o Militec 1 não altera as propriedades do óleo lubrificante tanto em viscosidade quanto em temperatura de oxidação (degradação). O óleo no qual foi adicionado o condicionador não se degrada em um tempo diferente do da amostra pura. Outros testes estão sendo realizados com base em parâmetros rígidos de análise para avaliar o desempenho do produto. 

 

Militec 1 não substitui óleo lubrificante

É comum que o Militec 1 seja aplicado no motor do carro junto com o óleo lubrificante. O que não quer dizer que se trate de um aditivo, já que ele não contém melhoradores do índice de viscosidade, não altera a composição físico-química e nem o intervalo da troca de óleo. Importante: o Militec 1 não substitui a utilização do óleo lubrificante. Troque o óleo conforme recomendações do fabricante, leve em consideração as orientações do importador exclusivo do produto no Brasil. Comprove de acordo com informações a seguir que Militec 1 funciona.

 

Então, para que serve o Militec 1?

Cerca de 80% do desgaste total do motor ocorre nas partidas a frio, porque é nelas que acontece o contato do metal com metal devido à falta temporária de lubrificação. Com o Militec 1, o que ocorre nessa fase será o contato entre as superfícies tratadas, o que tem por finalidade eliminar esse desgaste.  O óleo, para atingir o potencial completo de lubrificação no motor de um automóvel precisa estar em uma temperatura adequada. Até que ele atinja essa condição, quem está evitando o desgaste é exatamente o condicionador.

A vantagem do Militec 1 é que ele pode ser usado em qualquer lugar em que duas peças de metal se friccionam sem alterar as tolerâncias de folga do equipamento. Deste modo, o condicionador de metais pode ser aplicado em motores de qualquer tamanho e de qualquer combustível, seja de dois ou de quatro tempos.

 

Como usar o Militec 1

 

Em motores a gasolina, flex, GNV e diesel 

Com até quatro litros de óleo lubrificante, aplique um frasco de 200 ml, independentemente do período de trocas, especificações e tipos de óleo (mineral, semissintético ou sintético). O motor estará protegido por 20 mil km. Já em veículos ou motores com condições severas e intensas de uso – como veículos que rodam por longas horas diariamente – a recomendação é reduzir o período de aplicação pela metade.

 

Aplicação em motocicletas

A tecnologia utilizada na elaboração do Militec 1 permite que ele seja utilizado em qualquer tipo de motocicleta, tanto de dois quanto de quatro tempos, nacionais e importadas. O condicionador de metais pode ser aplicado em motos convencionais, de baixa ou alta cilindrada, trilha, rally, enduro, motovelocidade e nas customizadas. Em toda a diversidade de modelos e motores, o Militec 1 oferece melhoria ao funcionamento do motor e maximização da potência. Para motocicletas com até 1 litro de óleo, aplique 1 frasco de 40 ml de Militec 1. Reaplicar a cada 4 trocas de óleo.

 

Ar-condicionado e economia de combustível

Somada à resistência oferecida pelo Militec 1 ao motor do veículo, o produto pode ser utilizado, por exemplo, no sistema de ar-condicionado do automóvel. Entre os resultados estão a melhor vedação nos componentes internos do compressor, aumento na eficiência do sistema e redução do atrito interno do mesmo.

Uma vez que já se sabe que o compressor do ar-condicionado pode utilizar de 1 a 8 hp de potência de um motor do carro, e que parte desta potência é empregada no trabalho de compressão do sistema, enquanto outra se perde no atrito das peças móveis do compressor, ao reduzir o atrito dessas peças, o Militec 1 otimiza o trabalho do compressor.

A aplicação no sistema de ar-condicionado dura, em média, 30 minutos. Basta apenas um aplicador para o trabalho sem que haja interferência na carga de gás do sistema. Apenas 6% de Militec 1 sobre o volume do óleo são suficientes para o incremento do sistema.

 

Na direção hidráulica

20 ml por litro de fluido hidráulico a cada troca de fluido são suficientes para um melhor desempenho do sistema;

 

Em câmbio manual

Aplique 6% sobre o volume de óleo lubrificante. A quantidade é suficiente para garantir proteção por 50 mil km.

 

Em diferenciais

Aplique apenas 3% sobre o volume de óleo lubrificante e tenha proteção por 50 mil km.

 

 

EXPERIÊNCIAS COM MILITEC 1

 

Militec 1 salva motor do Maverick Berta Hollywood

O sobrenome é do argentino Oreste Berta, referência mundial na preparação e construção de bólidos de corrida, conhecido popularmente como “El Mago de Alta Gracia” e que foi o responsável pela execução do projeto do famoso Maverick que hoje descansa no Museu do Automobilismo Brasileiro, em Passo Fundo, no Rio Grande do Sul. O carro possui um motor com mais de 400 cvs e aproximadamente 6.500 rpm. Mas em ação na pista o seu real desempenho era bem maior, tamanha vantagem do conjunto. O Maverick-Berta correu oficialmente por apenas três anos, pilotado em 1974 por Tite Catapani, e em 75 e 76 por Luiz Pereira Bueno. O jargão da época dizia que, quando ele não quebrava, vencia. Já em sua estreia ele marcou o novo recorde de Cascavel, com o tempo de 1,15:3. Cravou novos recordes também no circuito misto de Interlagos (2:11,01), onde conquistou duas vitórias em 1975, e em Fortaleza (1:10,02), onde venceu em 1974. Com outra pintura, sem asa traseira e algumas peças trocadas e vendidas no intercurso, o Maverick Berta continuou a competir nas provas de Turismo 5000 da divisão do sul do País, vencendo diversas provas nas mãos de Edson Troglio e Luciano Motin.  Na década de 90, o empresário e proprietário do Museu, Paulo Trevisan, executou um trabalho de restauração, que durou vários anos. A ideia era devolver a identidade do famoso Maverick, de acordo com sua época de ouro. Após a conclusão, o carro recebeu um motor V8 351 Cleveland 4V (carburador quadrijet).

Como Militec 1 fez parte da história do Maverick Berta

A grande maioria dos carros que hoje estão no Museu do Automobilismo Brasileiro precisam estar em condições de pista. Alguns dos exemplares são levados pelo empresário em eventos, onde os carros “voltam à vida” e são exibidos ao público. Numa dessas apresentações, ocorrida em São Paulo, envolveu diretamente o Berta Hollywood. Após semanas de preparação, o Maverick estava pronto para fazer sua exibição. O empresário usa Militec 1 há mais de 25 anos, e o condicionador de metais acabou fazendo parte da rotina do Museu, sendo utilizado nos motores dos veículos que ficam parados por um longo período. Além dos motores, Militec 1 é aplicado nos câmbios e diferenciais.

Foi nesse evento chamado Clássicos de Competição, ocorrido em 2007 em São Paulo que Trevisan teve uma experiência que lhe chamou a atenção. Precavidamente, antes de embarcar, o Berta havia recebido a aplicação de dois frascos de Militec 1, e no dia da exibição andou forte em Interlagos, justamente para dar respeito a uma lenda dos anos 70. Segundo Paulo Trevisam o carro andou em alta rotação por mais de 15 minutos, exigindo ao máximo do motor. Alguém que estava com a equipe nos boxes informou ao empresário que o Maverick estava pingando óleo, e imediatamente o carro foi recolhido. Como o motor tem várias peças fabricadas nos EUA, se torna inestimável seu valor, além das suas condições históricas. Então, qualquer dano poderia ser uma tragédia. Após essa descoberta, o Maverick foi lavado até o Amador, mecânico tradicional de São Paulo. Ao verificar, perceberam que não houve danos, e graças ao Militec 1, parte da história foi preservada.

 

Na aviação experimental

Além do uso em automóveis e em equipamentos industriais, Militec 1 é indicado para a aplicação na aviação experimental, que são aviões de menor porte utilizados para voos de lazer e competições. Mas ele não substitui o óleo nem atua como um aditivo, já que ele não contém melhoradores do índice de viscosidade, não altera a composição físico-química nem o intervalo da troca. O condicionador de metais Militec 1 usa o lubrificante como um meio para chegar às superfícies metálicas e aos pontos críticos de calor dentro do equipamento. 

Diferentemente de um automóvel, os motores dos aviões trabalham em um regime mais constante. Toda vez que um avião precisa sair do chão, precisa ficar, no mínimo, cinco minutos em potência máxima. Com essa ação pode surgir problemas com aquecimento. O Combustível de avião contém tetraetila e acumula uma quantidade considerável de resíduos no cilindro do motor. Com o uso de Militec 1 esses resíduos são reduzidos drasticamente.

 

O piloto e construtor de aeronaves experimentais, Dimar Jeferson Neuwald (Franja), após muitos anos utilizando Militec 1 em competições de automobilismo, passou também a usar o condicionador de metais na aviação. Percebeu melhor desempenho do motor, redução na temperatura de cruzeiro e outros resultados positivos. Também observou mudanças de parâmetros importantes no monitoramento e no comportamento da aeronave após a utilização de Militec 1.

Dimar, que também oferece serviços de manutenção para outros colegas pilotos, recebe relatos constantes. Segundo ele, um colega estava executando um voo sobre uma região montanhosa, quando observou no painel de controle da aeronave a indicação de baixa pressão e perda de óleo no motor. Não havia a menor possibilidade de pouso de emergência naquela região, justamente porque estava sobre uma área montanhosa. Foram mais 15 minutos de voo até encontrar uma pista particular para o pouso em segurança. Após a aterrisagem, o piloto chamou o mecânico para analisar os danos. Assim que abriu o motor, detectou que não havia sinal de desgaste precoce nas bronzinas. Ele aplicou o óleo necessário e seguiu voo. O piloto havia usado Militec 1.

 

Três anos de corridas de carros sem quebra de motor

É possível uma modalidade do automobilismo completar três anos de provas constantes sem uma única quebra de motor? A GT Sprint Race comprovou que sim. Thiago Marques, piloto e CEO da marca, explica que a modalidade conseguiu o feito histórico a partir da aplicação do condicionador de metais Militec 1. Segundo o piloto, o aumento da performance conquistado foi essencial para manter a qualidade mecânica, a resistência e a credibilidade das máquinas. Com isso, o recorde foi possível.

A GT Sprint Race é uma modalidade de corrida de carros acessível a pilotos não profissionais; uma única equipe é responsável por todos os carros do grid. A modalidade já é parte do circuito do automobilismo brasileiro, hoje posicionada entre campeonatos nacionais, como a Stock Car e o Brasileiro de Marcas. Os carros, com chassi tubular em inox e design de carros como Ford Mustang e Chevrolet Camaro, correm com motores de seis cilindros 3.6 de 300cv, suspensão independente nos dois eixos e câmbios sequenciais Sadev.

 

1,5 milhão de quilômetros e motores preservados

Resultado semelhante foi registrado por uma empresa do sistema de transporte urbano de Curitiba e São José dos Pinhais. O Militec 1 é utilizado pela Auto Viação São José dos Pinhais, uma das principais companhias de ônibus do transporte público da capital do estado do Paraná, e do município da Região Metropolitana que dá nome à viação. A companhia analisou dados de desempenho da frota e de durabilidade de componentes mecânicos obtidos a partir do uso de Militec 1 desde 1992.

Como resultado, a empresa apurou que alguns motores de uso exclusivamente urbano com mais de 1.500.000 quilômetros rodados ainda mantêm motores originais de fábrica. A empresa possuiu vários ônibus nessa realidade, que apenas saíram de operação por já ter atingido os 15 anos de uso, prazo máximo estipulado pela administração pública, e então foram vendidos para outros municípios.

Há relatos de que esses números não são alcançados por outras empresas, mesmo tento manutenções rígidas. Em alguns casos, a performance da Auto Viação São José chega a ser algumas vezes maior do que quem não usa o produto. “São investimentos em equipamentos e tecnologias avançadas que têm aumentado o desempenho da frota para além do esperado pelos fabricantes.

Entre em contato